Turismo: melhor ficar por aqui

Pesquisa aponta que 62% das pessoas que costumam fazer viagens internacionais darão preferências a viagens domésticas após a pandemia.

A pesquisa da MindMiners ouviu 500 brasileiros a partir dos 18 anos, das classes sociais A, B e C, e que têm o hábito de viajar para destinos internacionais a lazer pelo menos uma vez ao ano.

De acordo com o estudo, 80% dos entrevistados afirmaram ter cancelado uma ou mais viagens internacionais em função da Covid-19 e 52% pretendem voltar a viajar para fora do país assim que as restrições forem suspensas.

Entre os que não pretendem voltar de imediato ou impõem condições para isso, os principais fatores apontados são a insegurança em relação ao risco de contrair o vírus e a alta do dólar. A liberação de uma vacina, a redução de número de casos e a adequação das companhias aéreas e hotéis e a oferta de condições financeiras especiais podem estimular a decisão.

Interessante constatar que a maioria dos viajantes internacionais habituais afirma estar inclinado a fazer sua próxima viagem dentro do país (71%), pesquisando muito (76%), gastando menos (67%) e, preferivelmente, em hotéis de médio ou pequeno porte (82%).

A disponibilização de uma vacina é um fator importante para a decisão do momento de retorno ao turismo para 61% dos entrevistados, mas a divulgação de cuidados por parte dos agentes (hotéis e companhias aéreas), que transmitam a sensação de segurança (44%), e a constatação da situação de baixo risco do local de destino em relação à pandemia (55%) podem ser um estímulo para antecipar a decisão.

Tudo indica que recuperação do setor de turismo interno brasileiro não será imediata, mas é segura.